All for Joomla All for Webmasters

A Ao vivo

Previous Next

Neurosis - Carioca Club (08.12.17)

User Rating: 0 / 5

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

O Brasil se tornou destino certo na vida de diversas bandas ao longo da última década. E de país distante até roteiro certo para qualquer artista muita coisa aconteceu, inclusive muita coisa que deu errado. Porém muita coisa deu certa e graças a produtores que vão além ­do profissionalismo, turnês até então impossíveis de se imaginar estão com passagem marcada para o país, desafiando um calendário cheio de opções. Foi assim com a primeira turnê do lendário Neurosis, grupo americano que veio a São Paulo após mais de três décadas de carreira para um show único em São Paulo no último dia 8 de dezembro, no Carioca Club.

Banda que reúne elementos que passam por vertentes tão díspares como o Hardcore/Crossover Thrash e o Doom Metal, o Neurosis conta com músicos que nem mesmo respaldados por tanta gente puderam ter a condição de viver exclusivamente desse trabalho, por isso desde o início o público sabia estar diante de uma turnê realmente especial. Essa urgência contagiou de tal forma os fãs que, mesmo diante de tantos “poréns”, fez sua parte e deixou o Carioca Club praticamente cheio para uma apresentação que mesmo antes de iniciar já se desenhava histórica. E foi o que aconteceu!

Ao vivo o Neurosis é simplesmente devastador. Com um som alto o suficiente para reverberar cada centímetro do corpo do público, o grupo explora camadas de sua música proporcionando uma experiência transcendental, ignorando até mesmo a própria presença. Não há comunicação com o público que não seja através da música ao longo de duas horas cronometradas como uma sessão de cinema.

Com mais de dez álbuns lançados, o último deles Fires within Fires, de 2016, o Neurosis naturalmente explorou faixas de um disco que pouco oscila em relação ao trabalho realizado pela banda desde a década de 80. Dali surgiram as devastadoras Bending Light, Fire Is the End Lesson, Broken Ground e A Shadow Memory, faixas que deixaram bem claro que os americanos vivem hoje uma de suas melhores fases na carreira. Dividindo vocais transformando seu trabalho com sintetizadores, o grupo soa orgânico e intenso o suficiente para promover uma catarse constante, jogando o público para dentro de seu universo.

Obviamente foram clássicos do passado que mais contagiaram o público, mas tudo era uma única estrada onde o passado e o presente do Neurosis não se distanciavam. Takeahnase e The Web, essa logo no início do show e extraídas do seminal Souls at Zero (1992) são bom exemplo disso.

Em um repertório relativamente enxuto, as clássicas Stones From The Sky, Locust Star e The Doorway se destacaram, mas eram cada uma parte de um todo. Um todo que só um show do Neurosis poderia proporcionar. E depois de duas horas ficava difícil se acostumar com o silêncio. Porque não era só o barulho do Neurosis, mas o mundo do grupo que revolucionou toda cena post metal nos últimos anos. Uma banda a frente do tempo capaz de fazer o inimaginável em um momento onde uma música tão difícil parecia impossível de ser admirada por tantas pessoas em solo brasileiro.

A música passa por aqui.

Email:

contato@revistasom.com.br

Fone:

11 98022.7441

Mídias Sociais