All for Joomla All for Webmasters

A Ao vivo

Red Hot Chili Peppers - Anhembi/SP (21.09.11)

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

Foram longos anos até o retorno do Red Hot Chili Peppers ao Brasil, desde seu triunfal show no estádio do Pacaembu em 2002. De lá para cá muita coisa aconteceu, a banda lançou dois novos álbuns e perdeu um de seus principais integrantes, o guitarrista John Frusciante, o que aumentou ainda mais a expectativa do público paulistano para a atuação de seu substituto, Josh Klinghoffer.

Josh Klinghoffer está em sua primeira turnê como guitarrista oficial da banda, mas sua ligação com o Red Hot vem de muito tempo. Multiinstrumentista e parceiro de longa data do próprio Frusciante em seus trabalhos solo, Josh já realizou algumas participações com os californianos e tocou com nomes como PJ Harvey, Nine Inch Nails e Butthole Surfers, ou seja, não faltava experiência para encarar um grande público.

A noite começou os ingleses do Foals, realizando uma apresentação tão competente quando a que fizeram na segunda edição do Festival Planeta Terra. Com um bom sistema de som (incomum nas bandas de abertura), a banda tocou músicas de seus dois álbuns, Antidotes (2008) e Total Live Forever (2010), arrancando aplausos de um público que ainda chegava ao Anhembi, principalmente com a sequência Spanish Sahara e Red Socks Pugie, que encerraram a apresentação.

Sem muita cerimônia, o Red Hot Chili Peppers subiu ao palco pontualmente às 22h com Monarchy or Roses, um dos primeiros singles de seu mais novo álbum, o elogiado I’m With You (2011). Acompanhado desde o início pelo público, o Red Hot continua com todo vigor e empolgação de sua última apresentação no país. Flea e Chad Smith continuam insanos, Anthony o bom e correto frontman de sempre, já Josh ainda parece tímido e, até por uma questão de respeito e personalidade, não tenta imitar John Frusciante, se soltando aos poucos no palco.

Foi a partir da segunda música, Can’t Stop, do bem-sucedido By The Way (2002), que foi possível compreender o tamanho do Red Hot no Brasil. Gritos histéricos e refrão cantado à plenos pulmões, tudo soa grandioso como em outros clássicos do grupo, em uma sequência que incluia Tell Me Baby, Scar Tissue e Otherside, além das novas Look Around e Factory of Faith, ambas com boa recepção, assim como o primeiro single do novo álbum, The Adventures of Rain Dance Maggie.

Nos solos de cada música Josh é um guitarrista correto, repete com eficiência tudo o que foi gravado em cada CD e realiza o trabalho de backing-vocal, porém não copia o estilo de John Frusciante e a tendência é que no decorrer dessa turnê ele se torne cada vez mais solto e gradualmente coloque sua personalidade na banda.

Sem setlist fixo, cada apresentação do Red Hot traz uma surpresa para o público, no Brasil essa música foi Me & My Friends, um dos momentos de maior comoção do público, que aumentou ainda mais com Under the Bridge.

Já a interação do Red Hot com o público se dá por Flea, durante os intervalos fez solos, tocou de School Days de Stanley Clarke até um improviso de Pea, música cantada pelo próprio baixista, e era responsável por servir de guia para cada clássico executado, como na sequência final, com Higher Ground, cover de Stevie Wonder (que também estará no Rock in Rio), Californication e, por fim, By the Way.

Após uma saída rápida do palco, Chad Smith teve espaço para um divertido e rápido solo, preparando a introdução de mais uma música de I’m With You, dessa vez com Dance, Dance, Dance, que abriu caminho para as últimas músicas do show, as aclamadas Don’t Forget Me e Give It Way.

O Red Hot Chili Peppers encerrou sua apresentação nos braços do público e com a aprovação de Josh no comando das guitarras da banda, mas ficou a sensação de que a banda realizou uma apresentação curta. Embora esse tamanho de setlist seja tradicional na banda, a empolgação criada ao vivo acaba carregando um pouco de frustração com a duração do show, afinal, julgando pela catarse que os californianos proporcionaram, era bem provável que 3 ou 4 horas de show não fossem saciar a empolgação do público diante da qualidade da banda ao vivo.

A música passa por aqui.

Email:

contato@revistasom.com.br

Fone:

11 98022.7441

Mídias Sociais