All for Joomla All for Webmasters

A Ao vivo

Previous Next

Esperanza Spalding - Cine Joia (21.09.16)

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

Na primeira vez que veio ao país, em 2011, Esperanza Spalding parecia ser o futuro do jazz. Amparada de seu baixo e um trio de alto nível, reverenciou o jazz e influências latinas com o álbum Chamber Music Society, lançado um ano antes.  Naquele momento, a estrada do jazz se mostrava livre, mas a artista americana escolheu outro caminho.

Radio Music Society trazia elementos de funk e apresentava uma artista mais solta e nas graças da crítica, mas imatura no palco. Sua segunda passagem pelo país, no festival BMW Festival, deixou um ar de “quero mais” e promessa de um retorno triunfal, que aconteceu em 2016, quando se apresentou no Cine Joia na última noite de 21 de setembro.

 Lançado no último mês de março, Emily's D+Evolution, quinto álbum de Esperanza Spalding é um choque até mesmo para quem acompanhou toda sua carreira. Disco mais roqueiro e ousado já feito pela baixista, surge repleto de melodias complexas e interpretações ousadas, difíceis de serem levadas para o palco, ao menos na teoria.

Acompanhada do versátil guitarrista Matt Stevens e do baterista Karriem Riggins, Esperanza tem como carta na manga o naipe de vocalistas formado por Corey King, Emily Elbert e Celeste Butler. Um time que dá vida, com maestria, ao repertório do último álbum da cantora.

Parte do projeto Skol Music, a apresentação de Esperanza Spalding é chocante desde seu início, seja para quem viu a “garota do jazz” ou para quem esperava um show mais “rockeiro”, em virtude da sonoridade do disco que dá título à turnê.

Com um repertório que contempla a totalidade do disco, o novo show de Esperanza é uma fusão entre várias manifestações artísticas, em especial o teatro e sua íntima relação com a música. A sensação ao longo das duas primeiras faixas da apresentação, Farewell Dolly e Good Lava, é de que Laurie Anderson e Yoko Ono estão na plateia e Esperanza precisa mostrar em 60 minutos (que acabou sendo basicamente o tempo do show) que é digna de sua aprovação. E ela consegue.

Não só as artistas citadas, mas o público que lotou o Cine Joia também aprovou o novo formato do show de Esperanza. Ousada, reconstrói o repertório do álbum em performances arrebatadoras e que logo jogam seu ouvinte para dentro do universo de Emily (seu segundo nome) e sua impressionante evolução.

Agressiva em Judas e Earth to Heaven, a baixista suaviza em Noble Nobles, dando a sensação de colocar cada um dentro de uma viagem tão surrealista quanto a capa de seu disco. E ainda assim, ecos do seus dois primeiros álbuns ganham forma em faixas como Funk the Fear e Rest in Pleasure, ambas acompanhadas de longas jams.

O encerramento com I Want It Now, faixa que também encerra o disco, é propícia para um show curto e arrebatador. Nas graças do público, Esperanza Spalding proporciona em seu novo momento uma sensação completamente diferente de seus primeiros trabalhos. Ousada, a baixista se priva de seu instrumento quando acredita ser necessário algo mais afim de dar vida a algumas de suas faixas. Um momento de completa maturidade.

Em sua melhor apresentação no país, Esperanza Spalding realizou aquele que pode ser considerado também um dos grandes shows do ano em meio a tantos grandes nomes que inflam o calendário. No auge de sua carreira, a baixista fez o que todas as grandes artistas fizeram em seu tempo: desafiou e venceu. Viva a nova Esperanza!

A música passa por aqui.

Email:

contato@revistasom.com.br

Fone:

11 98022.7441

Mídias Sociais