All for Joomla All for Webmasters

E Entrevistas

Previous Next

Entrevista BALEIA

User Rating: 0 / 5

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

 Eles foram seis e agora são quatro. Sofia Vaz (voz, teclados e guitarra), Gabriel Vaz (voz, bateria e guitarra), Felipe Pacheco Ventura (guitarra e violino) e Cairê Rego (baixo) dão forma ao Baleia, uma das bandas daquela que pode ser considerada a "nova" - mas não tão nova - safra do rock nacional, se é que podemos chamar exatamente de rock. São elementos de noise rock que se fundem ao jazz e ao pop em composições de profundidade única. Uma banda, sem dúvida, fora da curva e que deve ser celebrada.

Com uma discografia elogiável, que é composta pelos bons Atlas e Quebra Azul, o grupo carioca lançou nos últimos meses o primeiro capítulo daquele que será seu novo lançamento, um "disco vivo", como foi definido. Lançado em forma de EPs, Coração Fantasma é parte de um todo, mas tem vida própria. Um caminho exótico para uma banda que é exótica sem a menor questão de soar como tal. Tamanha ousadia, claro, levou o grupo a ser escalado como uma das atrações do renomadíssimo Festival Rec-Beat, que acontece em Recife durante o Carnaval. 

E com tantas novidades na manga, foi uma honra para o Passagem de Som conversar com Gabriel Vaz sobre a participação da banda no evento, o lançamento de Coração Fantasma e tudo o que cerca a nova fase do Baleia!

A apresentação no Rec-Beat 2019
Gabriel Vaz: É certamente uma honra. Esperamos bastante tempo por esse convite e estamos muito felizes. Queremos fazer o melhor show possível e vai ser lindo reencontrar o público recifense nessa época tão importante e inspiradora que é o carnaval daí. Nunca fomos pro carnaval de Recife e não fazemos um show na cidade desde 2016, então posso dizer que estamos bem animado!

A identidade musical e prateleira do Baleia
Gabriel Vaz: Eu não tenho mais pensado muito sobre isso. Eu acho que hoje o mundo e a cena musical estão tão plurais que talvez estejamos relaxando com essa necessidade de encontrar o rótulo certo pros artistas. "Indie" é um termo que nunca disse muito, ao meu ver. Mas quando nos chamam de banda indie não é como se estivessem dando uma informação errada. É um termo que significava "independente" e que agora significa qualquer som que soe menos padronizado pelos interesses do mercado, mesmo que ainda seja bastante comercial. Acho que no fim, a gente nunca se sentiu prejudicado pelas tentativas de sintetizarem o nosso estilo musical e acho que o efeito que isso causa na carreira de um artista é muito menor do que a "polemização" dessa questão nas discussões, saca? Mas rende uma boa conversa de bar, sem dúvida, porque tem várias camadas.

A maturação da música brasileira ao longo dos últimos anos
Gabriel Vaz: Nunca tive tanto otimismo com o cenário musical brasileiro. Ao meu ver, a gente vivia uma sedimentação absurda do cenário, com alguns poucos artistas conseguindo crescer fazendo algo bom. De 10 anos pra cá, com a expansão e popularização da internet, algo começou a mudar. E agora, finalmente estão se quebrando os muros velhos e engessados - que há muito foram construídos e há muito estavam sendo mantidos – e sinto que o país está fértil para a possibilidade de uma inteira nova geração de música brasileira. E o mais importante, está finalmente nascendo o mercado médio no meio musical brasileiro.

Antes, era uma realidade 8 ou 80. Como artista, você começava pequeno e logo depois alcançava um limite, como um teto. Dali, ou você tinha que dar sorte e ser catapultado pra fama ou você ficava rodando lá embaixo até desistir. Agora, parece ser mais fácil ir crescendo aos poucos e continuamente, o que é essencial pra qualquer artista que queira fazer música com mais liberdade – e que certamente não vai explodir de um dia pra outro com uma música na novela.

O processo de lançamento do EP Coração Fantasma
Gabriel Vaz: O que estamos fazendo, na prática, é romper com uma dinâmica que já não faz muito sentido pra gente. A ideia de lançar um álbum de mais ou menos 12 faixas foi normatizada porque era o quanto cabia num LP ou CD e, na hora de vender, quanto mais, melhor, independente da qualidade.

Hoje, o jeito que as pessoas consomem música mudou completamente, o mercado mudou completamente. Então, decidimos fazer um experimento. Unir o útil ao agradável. Um projeto que esteja mais de acordo com a natureza, velocidade e dinâmica dos tempos, ao mesmo tempo em que se apropria disso poeticamente. Por isso, o "disco vivo". Queremos que ele seja, no máximo de dimensões possíveis, um reflexo desses tempos. Isso vai desde a composição até a comercialização, passando pelas apresentações ao vivo, pelas parcerias etc. Ele é fluido e não sabemos qual será o resultado final. Mas será um resultado final sólido como um disco tradicional de 10, 12 faixas. Então, ao fim, agradará aos tradicionalistas também (risos).

A sonoridade do Baleia e o dinamismo das plataformas de streaming
Gabriel Vaz: Considero o Baleia tão experimental quanto pop. E devo dizer que eu mesmo me sinto afetado pelo dinamismo e fragmentação do modo de vida que estamos vivendo. Estou conseguindo me concentrar menos tempo em um único álbum. É um momento único que estamos vivendo, não podemos nos render, mas também não podemos combatê-lo. Acredito que, num futuro não tão distante, vamos redescobrir a calma e a contemplação (risos).

Imagino que será uma reação instintiva de sobrevivência da sociedade. Por ora, como fazer música popular instigante e/ou contemplativa nos tempos de hoje? Acho que essa é a pergunta que devemos nutrir e onde devemos colocar energia. O Baleia está se fazendo essa pergunta nesse novo disco. Na verdade essa é a pergunta que está no coração da banda, desde o início. Mas, nesse último trabalho, estamos querendo explorar canções mais dinâmicas e diretas, tentando conservar ao máximo nossas idiossincrasias.

A música como resistência em tempos de conservadorismo
Gabriel Vaz: Eu penso que fazer arte é ser resistência, sim. Fazer qualquer coisa que contribua para nos aprofundarmos na natureza humana e enriqueça a experiência de estar vivo é resistência.

Não existe nada mais importante que isso. E quem acha que política e esporte, política e arte não devem se misturar, não entendeu nada. É, no mínimo, um reacionário. Tudo já está misturado. Tudo está sob a luz da política. Nada escapa.

Há sempre política por trás de qualquer coisa, influenciando, ditando as regras, seja ela boa ou má, branda ou direta. Mas quando inverte-se a direção, e o esporte tenta dizer algo à política, a família tradicional pira. É ridículo. A situação presente do país nos afeta muito. Afeta nossas vidas pessoais, nossa saúde mental e de nossos amigos. Geralmente, a "resistência" nas nossas canções tem um viés mais filosófico ou existencial, porque é aí que sentimos que temos mais a contribuir. Até porque o Baleia é uma banda de pessoas brancas, heterossexuais e de classe média. Há artistas incríveis com discurso político e representatividade muito mais urgentes e sólidos que o nosso possa ter.

A experiência de mostrar por dentro a produção de um disco nas mídias sociais
Gabriel Vaz: Só posso falar pela nossa experiência e devo dizer que nossos fãs são muito fodas, generosos, engraçados e nos dão muita força e energia – nossa, parece propaganda do Nescau – mas sério, nunca sentimos nenhum perigo ou desconforto vindo dessa cada vez maior aproximação com o público.

A necessidade do disco físico
Gabriel Vaz: Partindo do ponto de vista que não precisamos mais da mídia física pra escutar discos, eu diria que, pro artista, é uma oportunidade de explorar a fisicalidade da sua obra.

Pegar uma experiência musical e dar cor, forma, textura, cheiro, o que quiser. E claro, ganhar um dinheirinho extra. Pra mim, não tem sentido mais fazer disco físico se não for um objeto que seja bonito ou interessante, que de alguma forma complemente a experiência do disco. Mas devo admitir que acho o vinil a única mídia ainda relevante, pela qualidade específica do seu som, pelo apelo da capa e encarte grandes que fazem a arte gráfica ganhar mais importância e pelo ritualismo em geral que é colocar um disco na vitrola, deixar rolar, apreciar o álbum como um todo, não ficar pulando as faixas.

As mudanças estruturais do Baleia
Gabriel Vaz: Sim, o Baleia passou de um sexteto para um quarteto – isso depois de quase terminarmos a banda. Mas, como toda grande crise é uma oportunidade de evoluir para melhor, viramos tudo de cabeça pra baixo, reformulamos nossa formação, nosso show, nossa abordagem das músicas, tudo. E agora, posso dizer com toda convicção que essa é a melhor formação que já tivemos e o nosso show nunca esteve tão bem resolvido e potente. E as músicas novas estão muito prazerosas de tocar ao vivo.

Daqui pra frente
Gabriel Vaz: Quando chegarmos no último capítulo, acho que a própria banda vai sentir o impacto de um trabalho completo. A gente não sabe onde ele vai chegar ou qual a sua identidade no nível macro. É como se fôssemos roteiristas de uma minissérie e estivéssemos nos deixando levar pela história sem saber a conclusão. Deixando a própria história ir nos influenciando de volta.

É um experimento, uma proposta que, antes de mais nada, vai abrir novos caminhos, criativos ou práticos, algo que a gente faz questão de nunca abrir mão: lutar por um estado de presença, não se acomodar, ter entusiasmo com todas as dimensões do nosso trabalho.

A música passa por aqui.

Email:

contato@revistasom.com.br

Fone:

11 98022.7441

Mídias Sociais