All for Joomla All for Webmasters

M Matérias

Previous Next

A África que faz Diplo dançar!

User Rating: 0 / 5

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

Visionário, Diplo percebeu antes de todos o poder do funk carioca e do dubstep, levando ambas as vertentes a um patamar nunca visto. E enquanto concilia a vida com seus muitos projetos, encontrou tempo para lançar com o Major Lazer o poderoso EP Africa Is The Future, projeto que joga luz sobre a região que é considerada a mãe de praticamente todas as vertentes musicais, a África, abrindo espaço para vertentes que finalmente tem a chance de chegar ao mainstream.

Você já viu Diplo nos morros cariocas ao lado de MC Bin Laden. Viu também o produtor norte-americano ganhar um Grammy ao lado de Skrillex com o estrondoso sucesso do projeto Jack Ü. Viu ainda Sia e o rapper Labirinth ao seu lado no supergrupo LSD, onde cada faixa parece chacoalhar os números do Spotify como uma percussão de escola de samba. Multitarefas, Diplo parece estar em todos os lugares improváveis, tendo a sacada do que pode – ou não – fazer as pessoas dançarem. E chegou a vez da África mostrar o por quê de ser considerada a mãe de praticamente todas as vertentes musicais.

Formado por Diplo, Jillionaire e Walshy Fire, o Major Lazer nunca fez uma música exatamente fácil. Explorando batidas que vão na contramão da EDM e da música pop, o trio se transforma a ponto de fazer com que seu trabalho ganhe sentido justamente frente a milhões de pessoas. Embora soe underground na ousadia de seus projetos, é para as massas que Diplo e cia tocam. E dessa vez o projeto soa ousado o suficiente para abrir as portas de uma música que até hoje caminha alheia ao mainstream, aquela que na maioria das vezes é chamada simplesmente de “ritmos étnicos”.

Fruto de um trabalho de pesquisa, o EP Africa Is The Future começou a nascer em outubro de 2018, quando Diplo passou um extenso período no continente africano. Lá passou por vários países como Nigéria e Uganda, indo muito além da África do Sul, país que no continente é chamado simplesmente de “Falsa África”. O objetivo era conhecer de perto os movimentos e o como a cena pop funcionava a partir da cultura local.

Notoriamente influenciada pela cultura europeia e americana, capitais como Lagos, na Nigéria, tem uma cena voltada à junção de elementos tipicamente pop aos ritmos locais, fazendo florescer um movimento afro-pop que logo seduziu o DJ, tal qual o funk no Rio de Janeiro.

Para entender esse movimento acerca da cultura musical africana, é necessário voltar um pouco no tempo, mas não tanto, coisa de trinta ou quarenta anos (ou ficaríamos loucos com tanta informação). Tudo isso foi um processo muito gradual. No Brasil, por exemplo, só no início dos anos 80 foi possível sentir os efeitos da house music americana, especialmente pela chegada da disco, que já fervia há pelo menos uma década antes. Mas e na África? Vivendo os últimos anos do período de apertheid, o continente obviamente sentiu o reflexo desse processo com um certo delay, o que contrasta com sua rica história musical.

Inspirado por ritmos étnicos, em nada as faixas do disco remetem a algo já ouvido antes, especialmente para quem tem em mente a música americana. São remixes que ganham corpo inspirados no afrobeat de Fela Kuti e, principalmente, no uso dos primeiros sintetizadores produzidos no país. Isso fica claro em faixas de nomes como a Ayobayo Band e S.Y.B., soando como uma versão turbinada do ícone nigeriano.

Apostando em uma música que “grude”, às vezes tudo soava tão amador que ficava difícil pensar que só nos anos 90 o continente africano ganhou um grau de profissionalismo em suas produção, porém, ainda assim, para quem mergulha nesse contexto não demora muito para perceber o poder que faixas de artista como o sul-africano Spirro, embrião do que anos depois poderia ser visto na música da dupla franco-camaronesa Les Nubians, considerada uma das maiores fontes de samples do mundo.

Duas décadas trouxeram essa evolução para a música africana, não só da África Sul, mas para países mais distantes como a Etiópia, Uganda e Nigéria. Esse acesso aos grandes hits mundiais fez florescer essa cena afro-pop que levou Diplo a se apaixonar por vertentes muito além do Kuduro e do Sungura.

 

Pense em Drake, pense em Katy Perry, pense até mesmo em David Guetta. Ícones da música pop contemporânea, o trabalho realizado nos Estados Unidos influenciou uma geração de artistas da chamada afro-fusão como Burna Boy, Babes Wodumo & Tarancchyla, Mr. Eazi, RAYE, que dão forma ao EP Africa Is The Future.

 

O hip hop é sem dúvida o elemento que mais catalisa a influsica americana a a infludos faz de nomes como undiais fezto alunto com osência da música americana e serve de base para as 4 faixas do EP, mas definitivamente não é igual a nada já visto, ao menos no mainstream. A faixa Orkant/Balance Pon It, da dupla Babes Wodumo & Tarancchyla, é um bom retrato disso. Explosiva e melhor do EP, angaria elementos de Zef, que se tornou notável como um movimento de contra cultura típico da classe operária sul-africana. Esse padrão de comportamento ganhou força durante as décadas de 60 e 70 para ironizar a elite branca durante o período de apartheid. Um paralelo disso com o próprio funk carioca não seria exagero e vale uma conversa de horas em uma mesa de bar...

 

Com quatro músicas, o EP do Major Lazer apresenta muito em pouco tempo e poderia parecer condenado a sucumbir frente à quantidade de projetos lançados por Diplo e suas muitas parcerias nos últimos anos. Ou não. Disposto a mergulhar por novos mares, o produtor norte-americano foi entendeu o passado de um continente esquecido pela grande mídia para cravar que a música africana é o futuro! E vindo de quem se tornou o midas da indústria fonográfica, isso era apenas questão de tempo para acontecer.

 

A música passa por aqui.

Email:

contato@revistasom.com.br

Fone:

11 98022.7441

Mídias Sociais